A tarja rosa

Um aviso: Não temos respostas. Temos novas perguntas.


Deixe um comentário

Sereia hightech

Se tem uma loja gringa interessante para se gastar uma graninha que se suou para ganhar é a Black Milk Clothing. São leggings, bodies, lingeries, maiôs e outros mimos colantes e com estampas totalmente sensacionais.

Das incontáveis estampas muito amadas, vou destacar a que mais desejo no momento, a de escama de sereia. Mirem só.

Essas peças ainda não são vendidas no Brasil, mas dá para comprar no site e eles entregam aqui. Preparem-se para custos com taxas e impostos, não sai barato. Há similares com brilho, glitter e estampas legais, mas ainda não vi nenhuma marca com texturas e cores tão legais.


1 comentário

A todo momento

A todo momento, no mundo, há alguém fazendo algo diferente, extraordinário, resolvendo alguma questão insolúvel, ou descobrindo uma nova teoria que vencerá a gravidade. E assim, todo dia, o sol se levanta, se põe, a internet continua on line, computadores e celulares, telefones e câmeras de vigilância.

Todo dia, sob um céu azul de doer, ou sob um céu cinza e ameno, os passarinhos continuam cantando, apesar do ar pesado e poluído. Em alguma floresta, mata fechada ou planície, ao longe ou perto, animais perdem seu habitat, esmagado por tratores e serras. Todo dia dados alarmantes aumentam, os da violência, dos latrocínios. Todo dia, nasce uma outra flor no vaso que eu esqueço de regar, e os meus cachorros me recebem, quando eu chego, como se não me vissem há meses.

A cada dia, meu aniversário de quarenta anos está mais perto, mas eu, meu rosto e corpo, teimam em não acompanhar, resolveram parar nos trinta, a cada dia, descubro ter mais motivos para ser teimosa e outros tantos para sossegar o “facho”, e acabo resolvendo que seguir é a melhor alternativa.

A todo momento, a cada dia, assim como centenas de milhares de seres humanos normais ou não, recebo tantas informações nas minhas retinas e ouvidos, tantas verdades incontestáveis que a vida esfrega na minha cara, que eu reflito sobre isso, apenas um momento.


Deixe um comentário

A vida (re)começa aos 40

A vida pode não só recomeçar como ser ainda melhor depois dos 40. Vai por mim.

A vida pode não só recomeçar como ser ainda melhor depois dos 40. Vai por mim.

Chegar aos 40 anos e estar tinindo é algo comum entre as mulheres de nosso tempo. As mulheres estão mais dispostas, mais bonitas, mais seguras e mais livres. E também mais disponíveis para realizarem tudo o que querem, inclusive, para abrirem mão de um casamento sem amor.

Os filhos estão criados e voilá. Tempo para si mesma.

Esses são alguns dos aspectos que fazem as mulheres de hoje se sentirem com tudo nessa fase da vida. A medicina e a estética têm tudo para fazê-las serem e estarem assim. Muitas delas ainda despontam profissionalmente. E, apesar das disparidades com os homens, elas estão em toda parte.

Uma pesquisa feita pela antropóloga da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mirian Goldenberg, aponta que o maior desejo das mulheres é pela liberdade. Ao mesmo tempo, aos 40, a liberdade se contrapõe ao tempo, antes elas tinham a vida pela frente, e agora querem aproveitar, tudo ao mesmo tempo agora, e se perguntam – “Por que perdi tanto tempo?”

A pesquisa mostra também a preocupação excessiva que a brasileira tem em equilibrar muitos aspectos da vida – ela quer perfeição na família, no trabalho, em sua aparência e então acaba se estressando muito mais. Ao contrário da situação das mulheres alemãs, que optam ou pela carreira, ou por casar e ter filhos, com a diferença de que essa escolha é muito mais respeitada por lá do que por aqui.

A sociedade ainda julga a mulher que não casou, ou que não teve filhos por opção. Ela fez uma escolha como qualquer pessoa pode fazer. Mas mesmo assim, algo libertário ou diferente da maioria ainda espanta muita gente.

Explorar habilidades de relacionamento pessoal e estilo de vida mais leve, bem ao estilo masculino é outro desejo latente presente na pesquisa. Os homens, em sua grande maioria são mais desencanados, não se preocupam tanto com a sua imagem frente aos outros, frente à família, e podem ser chamados de safados sem que isso os prejudique moralmente.

E tudo isso, Vilamigas, nós queremos depois dos 40. Pode parecer muito, mas não é, é simplesmente natural. É da natureza de qualquer ser humano querer ser mais leve, e no caso das mulheres quererem ser livres e se preocupar somente consigo mesmas, já que provavelmente viveremos mais de cem aos, quem tem 40 ainda tem no mínimo 60 pela frente.

Para quê se preocupar tanto? Se aventurar é bem melhor.

Este texto também está aqui.